Posts

Medida passa a valer em 10 de janeiro

Publicado em 26/11/2021

A União Europeia (UE) vai permitir a entrada de viajantes vacinados contra a covid-19 com a CoronaVac, vacina do Butantan e da farmacêutica chinesa Sinovac. A decisão, divulgada nesta quinta-feira (25) em comunicado da Comissão Europeia que inclui 27 países, passa a valer em 10 de janeiro de 2022.  Assim, os países europeus passam a focar no status de saúde do viajante e não mais no seu país de origem. 

A recomendação é de que os turistas tenham concluído a série de vacinação (primeira e segunda doses) há menos de nove meses da data da viagem ou recebido uma dose adicional. Será necessária a apresentação de teste de PCR negativo antes da viagem.

O comunicado autoriza ainda o ingresso de pessoas que tiveram a doença e se recuperaram. Os países terão liberdade, entretanto, para aceitar ou não a entrada de viajantes nessas condições.

Crianças e adolescentes entre os seis e 17 anos ainda não vacinados poderão viajar para a União Europeia com um teste PCR negativo feito antes da partida. Os países do bloco podem ainda exigir testes adicionais após a chegada, quarentena ou autoisolamento. Crianças menores de 6 anos estão liberadas dessas exigências.

A CoronaVac teve seu uso emergencial aprovado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1º de junho deste ano.

Por Agência Brasil – São Paulo

Contribuição faz parte de pacote financeiro maior, de US$ 12 bilhões

Publicado em 02/11/2021

A União Europeia (UE) se comprometeu, nesta terça-feira (2), a gastar 1 bilhão de euros de seu orçamento nos próximos cinco anos para proteger as florestas, incluindo 250 milhões de euros para países da Bacia do Congo, na África Central.

“Precisamos ouvir melhor as comunidades indígenas, os produtores, os consumidores e os comerciantes. Ouvir uns aos outros, trabalhar uns com os outros, para impedir o desmatamento”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no Conferência do Clima (COP26) em Glasgow, na Escócia.

A contribuição da UE faz parte de um pacote financeiro maior, de US$ 12 bilhões, para proteger, restaurar e administrar de forma sustentável as florestas nos países mais pobres. Entre os outros doadores estão a Grã-Bretanha, Noruega, os Estados Unidos e o Japão.

Por Reuters – Bruxelas

Fonte: Agência Brasil